B I B L I O T E C A ± T Z I K I . N E T
T I T U L O :
Pela China Dentro - Uma Viagem de 12 Anos
A U T O R :
António Caeiro
E D I T O R A :
Dom Quixote
G É N E R O:
Viagens, Memórias
P Á G I N A S :
302
L I N G U A :
Viagens, Memórias
E T I Q U E T A S :
Viagens, China
S I N Ó P S E :
"Excelente jornalista de agência, com uma das melhores carreiras em Portugal como correspondente no estrangeiro, António Caeiro é um exemplo de uma escola de rigor, atenção e cuidado na recolha e avaliação da informação. Por isso consegue, nestas singelas crónicas do quotidiano de uma extraordinária década, transmitir um dos mais profundos e subtis testemunhos deste período." José Gabriel Viegas, Actual (Expresso), 26 de Fevereiro de 2005 "António Caeiro viveu, entre 1991 e 2003, uma experiência única: a partir do lugar privilegiado de correspondente da Agência Lusa em Pequim, pôde observar as tremendas mutações por que passou e continua a passar o país mais populoso do mundo. (...) Sobre essa experiência, António Caeiro escreveu um livro onde mistura toda a sua oficina e talento de jornalista com os dons do diarista e do cronista. (...) Os sinólogos tropeçarão em quase todas as páginas em pequenas observações pertinentes sobre o país, as suas gentes, o seu desenvolvimento desigual, a forma especial como vive as tradições ou a estranha fórmula de desenvolvimento que encontrou, mantendo o poder político ferreamente nas mãos de um Partido Comunista todo-poderoso ao mesmo tempo que permitia e estimulava o investimento privado e aplaudia a iniciativa, o risco e o enriquecimento. (...) Para os que se sentem apaixonados pelo que se passa na China, os que procuram entender o que é difícil explicar - designadamente uma forma de viver e uma cultura radicalmente diferentes das ocidentais -, o livro de António Caeiro é precioso, pois casa o olhar experiente do jornalista com a capacidade de se surpreender do curioso insaciável e tem, por fim, algo do aroma inconfundível dos bons livros de viagens. Por isso se aprende nele mais sobre a China de hoje de que em muitas ambiciosas análises dos chamados "China watchers"." José Manuel Fernandes, in Mil Folhas (Público), 02 de Outubro.pt